37 – Na mira

Sob a chuva e à noite, Morphopolis parece uma metrópole qualquer. Ruas alagadas, trânsito caótico e uma luz apagadiça emanando dos postes de luz. Eu sabia que eles colocariam alguém atrás de mim, mas nunca pensei que seria alguém tão incompetente. Por que não usou um disfarce? Quem chega assim, já chega em desvantagem. Agora mesmo deve haver alguém com ele na mira. Sua sobrevivência é uma questão de sorte. De qualquer modo, não me resta alternativa a não ser denunciar meu próprio clone. (Antônio).

José Ariovaldo, jogando na lan house, tinha fascinação em atuar no papel da polícia, nesse jogo de perseguição acoplado a Morphopolis. Ele gostava especialmente de enquadrar as pessoas na rua, abusar de certa violência e de estar em lugares privilegiados onde na vida nunca podia pisar. Pois bem. Casualmente ele é quem acabou desviado para ir em busca do clone de Antônio, encarnado pela ID do Magrelo, cujo nome real era Thiago com “TH”, e isso logo quando seu tempo de game já estava quase acabando. Coincidências.

Dirigindo alucinadamente uma viatura, ele finalmente conseguiu chegar até onde estava o clone de Antônio (e não era Noobie): o que foi travestido pelo Magrelo. Quando José o encontrou, foi anunciando: “Parado, mãos na cabeça!” O Magrelo estava zonzo, nunca imaginou que isso pudesse acontecer com ele. Onde estava seu distintivo provisório, numa hora dessas? Que idiotice foi ter entrado com a ID de Antônio… Por isso, ele fugiu e entrou no primeiro prédio de porta aberta que conseguiu, procurando pelas escadas. José, que matara o policial de verdade, no mundo real, tinha sua chance de virar herói matando alguém por sua vez, mas agora dentro da lei e ainda por cima um fugitivo…

"Parado, ou eu atiro". (José Ariovaldo)

Mas o Magrelo não parou. Ao tentar pular de uma janela, José desferiu dois tiros com sua pistola. No segundo, ele acertou seu alvo que caiu direto de uma janela do primeiro andar para a calçada, na rua. A tela do computador de José, na lan house, ficou avermelhada, como enrubescida, porque é assim que se anunciam mortes em Morphopolis. Aos poucos, porém, a coloração foi esmaecendo e voltando ao normal. A chuva voltou a cair pesada, Sechat estava dando tempo para o Antônio de verdade sair dali. Pelo som da sirene insuportável, o jogo havia acabado.

Por que se mexeu, tio? Eu avisei... (José Ariovaldo)


Volta ao capítulo anterior
Vai para o sumário
Vai para o próximo capítulo

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s